Conto - Lenda Indígena.

contos de terror

Lenda Indígena

Esse conto já foi publicado aqui no blog, em abril de 2010, e é um dos mais lidos, mesmo após tantos anos.

Em comemoração aos dez anos de existência do blog acredito que ele deva ser republicado.


“Segundo a antiga crença de uma etnia indígena, quando ocorre o nascimento de gêmeos um deles deve ser sacrificado, pois carrega consigo a essência do mal.”

Baseada nessa lenda, a aldeia se preparava para a noite do sacrifício. Era uma data importante, pois naquela noite se livrariam de ter entre eles a encarnação do mal.

Poucas semanas de vida, quisessem ou não, a mãe já tinha amor por aquelas crianças. O amor maternal não escolhe o bem ou o mal e ambos já a haviam cativado desde que estavam em seu ventre. 
Como, no futuro, olhar para um sem se lembrar do outro?

Pensou em fugir com as crianças para evitar a morte do filho, mas ainda que o amor fosse grande ela temia a maldade que um deles carregava dentro de si. Essa maldade traria desgraças a todos da aldeia, até mesmo ao mundo.

Para nós, “brancos”, era uma barbárie, mas para os indígenas daquela etnia não era nada além de uma chance de provar ao Grande Deus que eram capazes de cumprir seu papel e honrar seus costumes.

Chegou então o momento. Céu limpo e lua cheia iluminando todo o local. Todos os moradores, e alguns convidados de aldeias próximas, formavam um enorme círculo ao redor do que era uma espécie de altar. Sobre ele ambos os bebês estavam deitados, pintados nas cores, conforme ditavam os costumes, alheios ao fatídico destino de um deles.

A mãe, que se derramava em lágrimas, era amparada pelo marido e pelas irmãs.

O pajé, em meio a canções entoadas por todos, bebeu de um só gole um chá feito a partir de raízes e folhas misteriosas. Deu umas baforadas em um bem adornado cachimbo de madeira e finalmente entrou em contato com os espíritos ancestrais. Eles lhe diriam qual das crianças carregava dentro de si o espírito do mal. Era responsabilidade deles identificar a criança boa da criança má. O pajé seria apenas seu instrumento de justiça.

Olhos fechados, como num profundo transe, o velho índio proferia palavras para nós incompreensíveis e, ao abrir os olhos, num único e certeiro golpe, rasgou o peito de uma das crianças com um punhal feito de quartzo azul. O sangue escorreu pela rocha polida até o chão de terra batida.

A criança sequer chorou. Sua morte foi instantânea e cânticos indígenas foram entoados para encerrar a cerimônia.

Assim que a mãe apanhou a criança sobrevivente uma torrencial chuva, que chegara repentinamente, desabou sobre a aldeia.

Era o Grande Deus lançando sua bênção sobre eles, por terem cumprido com seu papel. A chuva servia para purificar o solo, as plantas, os animais e os índios. Almas lavadas.

Passaram-se os anos e o acontecimento já tinha quase sido esquecido.

O então bebê agora já tinha treze anos e em breve se tornaria um guerreiro. Já há algum tempo era treinado com essa finalidade e seu pai se encarregara disso, utilizando as armas e as técnicas de batalha de sua cultura.

Numa manhã nebulosa, porém, a aldeia estava deserta. Nenhum índio saiu de sua oca. Nenhuma fogueira foi acesa e nenhum desjejum foi preparado. As abundantes crianças que normalmente estariam perambulando por todo lado tinham desaparecido.

De pé sobre o altar onde outrora seu inocente irmão fora morto, o índio de alma maligna gargalhava ensopado com o sangue de todos os moradores da aldeia.

O pajé havia se enganado quanto à criança a ser sacrificada.



*Ainda hoje, em pleno século XXI, tal crença ainda faz parte dos costumes de alguns povos.

contos de terror

Oscar Mendes Filho

Biografia

Oscar Mendes Filho - Renascido em 01.12.1975 Oscar é paulistano, casado e pai de dois filhos. Possui treze obras publicadas: Prisioneiro da Eternidade – RPG, Contos Para Nunca Esquecer, Hanz, Prisioneiro da Eternidade, Prisioneiro da Eternidade II - A Redenção, Joshua, Contos Para Nunca Esquecer Vol. II, Sombras do Castelo, Waverly Hills – a Morada do Mal, A Fúria do Tarrasque, Relatos Macabros I e II e Você Quer Ser Escritor(a)?
Também é responsável pelo blog Prisioneiro da Eternidade (www.prisioneirodaeternidade.blogspot.com) onde publica contos de sua autoria e algumas notícias acerca da sua carreira.


contos de terror

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.